Publicado por: Daniela | 13 novembro, 2008

PROGRAMA DE NATAL

e-tempo-de-celebrar-o-natal12

“Já vem perto o natal…”  E agora?

Quem vai organizar o programa de natal? Que peça iremos usar? Quem vai participar? Quando faremos os ensaios? Etc…

É hora de começar a se preocupar com o Programa de Natal. Por isso, vou ser breve!

Use a criatividade… Como?

Internet é uma ótima opção para ter idéias. Segue abaixo alguns endereços onde você pode encontrar peças teatrais de Natal, é claro que precisam ser adaptadas.

http://www.bernerartes.com.br/ideiasedicas/teatro/natal.htm

http://www.teatrocristao.net

http://sinodoluteranonc.org.br/3000/3218/Tenatal25.doc

www.sesb.org.br/files/downloads/Teatro_Natal.doc

http://www.pjestigmatina.com/formacao/paginas/d_teatro-de-natal.html

http://www.scribd.com/doc/521128/Texto-de-Teatro-O-Natal-de-Joca-e-Clarinha

Além de uma encenação tradicional de Natal, podemos usar os dons de nossa congregação, como música (bandas, coral, solos de alguns personagens, cantatas, etc), dança litúrgica, sombras, acessórios (velas, tochas, animais, bonecos, decoração de natal, decoração de aniversário – Jesus, etc), encenação ao ar livre, tecnologia (datashow, vídeos, imagens, efeitos sonoros, etc) e muitas outras coisas.

Segue abaixo links de vídeos do YouTube com idéias para o Natal.

http://www.youtube.com/watch?v=z-UamMYQyNI

http://www.youtube.com/watch?v=kWt_MmrUtAU&feature=related

http://www.youtube.com/watch?v=b7wBmXUnZLg&feature=related

http://www.youtube.com/watch?v=hyBgtZ_SyKU&feature=related

http://www.youtube.com/watch?v=vgj5s1JFI24

http://www.youtube.com/watch?v=41e4gzC_oWc&feature=related

E você, tem alguma sugestão para o Programa de Natal deste ano? Deixe aqui suas idéias, sugestões, opiniões ou experiências.

Abraços e … prepare o seu coração para mais um aniversário de Jesus! Onde o maior presente, nós é que recebemos, nova Salvação!

09_oq_realmte_e_natal1

PESSOAL, ACESSEM: WWW.JELB.ORG.BR/ARTEJELB  TEMOS MUITAS NOVIDADES E VÁRIAS PEÇAS NATALINAS. VALE A PENA CONFERIR!

 

About these ads

Responses

  1. Já vou acrescentar uma bela experiência que tivemos na congregação São Lucas em Horizontina/RS.
    Durante os quatro cultos de advento, as crianças da EBI saíram com as professoras e percorreram alguns bairros da cidade, hospital e praça central vestidas de anjos e batendo de porta em porta falando apenas “É Natal, Jesus nasceu!” e entregavam um convite para o programa de natal. Tivemos um retorno positivo desta ação e as crianças adoraram.
    Serviu de testemunho e missão.
    Até mais,
    Daniela.

  2. O que eu vejo é que normalmente se faz algo bonitinho. Nem sempre se preocupa com a qualidade. A gente tem esse costume dentro da igreja de dizer que “o que vale é intenção”. É muito bonito isso, valorizar o sentimento e o culto a Deus. Mas, acho que isso não serve para evangelismo, que é o principal objetivo da igreja, ou deveria ser.
    As crianças são mais capazes do que imaginamos. É possível fazer algo com qualidade.
    Sei lá, apenas refletindo aqui.

    Beijos da ruiva.

  3. É isso aí Raquel, normalmente se faz a encenação tradicional do presépio, mas cá entre nós, a narração da história todos conhecem muito bem, que tal apresentar “a moral da história”? A mensagem da salvação, o porquê de Jesus ter nascido?
    Realmente, muitas vezes não é feito um programa mais consistente por puro comodismo.
    Até mais,
    Daniela.

  4. Eu sempre gostei de trabalhar idéias mais impactantes.

    Não impactantes do ponto de vista do espetáculo, no lado visual, cenográfico, e interpretativo…

    … mas acho que uma boa idéia impactante, em se tratando de teatro cristão, começa no texto e no roteiro. (alguma hora precisa esclarecer essas diferenças por aqui: texto? roteiro? como será que se escreve uma peça extremamente calcada na música, no gesto e marcação?)

    Como já disse antes, procuro escrever idéias pensando em entreter. Sem isso, o povo logo se distrai. Mas não é no entretenimento que está o objetivo do teatro cristão, é?

    Acho que devo ter causado certa confusão com essas idéias. Talvez tenha deixado transparecer que o objetivo do teatro cristão é entreter ou deve ser… quando na verdade o que eu quis dizer é que, teatro e entretenimento estão intimamente ligados. Quem vai ao teatro vai para entreter-se (seja rindo, chorando, vibrando, e até mesmo refletindo ou aprendendo).

    Entretenimento é o canal que estabelece a ligação entre quem faz e quem vê (assiste passiva ou ativamente), para comunicar algo.

    Mesmo sem cenário, figurino adequado, sem capacidade de investimento maior é possível levar uma mensagem através de um bom entretenimento, desde que a idéia por trás esteja bem pensada. Falo do conceito por trás de tudo…

    … o conceito que gera toda a peça ou esquete é fundamental. E, na minha opinião, é o lado mais duro e complicado de trabalhar, produzir e executar. Todo resto vira enfeite, mais ou menos como no Natal:

    - o conceito da salvação é o fundamental. Mais sensacional ainda: não é um conceito, é real. O pinheirinho, as músicas, as roupas, os presentes, todo resto é enfeite que tanto pode ajudar a ressaltar a festa e o entretenimento, como pode ofuscá-los e encobrir o conceito.

    .el.

  5. Sim…!
    Já falei demais!

    (Sim! Eu uso o verbo “falar” como sinônimo de qualquer forma de comunicação e ainda sou prolixo)

    Às vezes idéias simples podem fazer muita diferença para a reflexão e o “entretenimento”.

    Sobre o natal, algumas que eu ainda não fiz e deixo aqui para quem quiser estruturar dentro de uma peça ou esquete:

    - utilizar músicas invertidas nas duas datas cristãs mais comemoradas (dentro e fora da igreja): a páscoa e o natal. Por exemplo, imaginem na cena tradicional do nascimento aquela música “Ó Fronte Ensangüentada” cantada como nesse link [ http://www.youtube.com/watch?v=98LcbCkhqJs ], mas em português, é claro. Imagino tocada como uma música de ninar, talvez com alguém interpretando “Isaías 53:5″ na introdução musical do hino. Na minha cabeça essa idéia é original, impactante, e reflexiva. (é claro que cantada ao vivo, com quatro vozes, talvez femininas somente, suaves… seria meu ideal. Mas na internet dá para encontrar a música em português bem cantada, com certeza);

    - ainda no natal, dentro do mesmo tipo de idéia. Imagino uma música ou versão da “Mary did you know?” como o anúncio do Anjo à Maria, vejam o link [ http://www.youtube.com/watch?v=jiHX2fxkJwo ] (aqui o link com legendas para entender a música [ http://www.youtube.com/watch?v=EdR_Cklq4jw ]). Eu gosto mais da versão do Gofish [ http://www.youtube.com/watch?v=74oUfNKfbtM ], mas não liguem para o clip;

    - na páscoa, a cena me parece mais difícil, pois ninar um criança no natal é bem mais fácil de interpretar com um olhar de candura e ternura, do que na páscoa fazer uma boa cena da crucificação. Mas imagino a cena da crucificação com mu´sicas alusivas ao natal, especialmente alusivas ao nascimento de Jesus. Mas a idéia é, ao contrário do tradicional, usar músicas levas e comemorativas. Esse é impacto principal, uma cena de morte e sangue, com muita comemoração musical. Algumas músicas que penso não apenas pela letra mas também pelo arranjo (como exemplos do que imagino): [ http://www.youtube.com/watch?v=uzrzVhqY6ag ], ou [ http://www.youtube.com/watch?v=3Hr3ook2fek ];

    Enfim… talvez sejam idéias que só ficam boas na minha imaginação.

    .el.

  6. Ótimo comentário Rahel, não se preocupe em ser confuso, hehehe, eu tb sou, mas te entendi perfeitamente.
    Pretendo falar sobre vários assuntos no futuro, como roteiro, texto, etc, talvez vc pudesse me ajudar, topa? É que tive que abrir este espaço pra falar do programa de natal visto que muitos pastores estão “loucos” atrás de um.
    E não tendo um programa pronto, ou não tendo alguém na congregação com talentos nesta área, muitas vezes os “enfeites” acabam cobrindo o real sentido do natal.
    Mas estamos aqui pra justamente não deixar isso acontecer.
    Quem sabe com alguma idéia ou experiência de alguém, não se cria um belo programa de natal, não é mesmo?
    Até mais,
    Daniela.

  7. Sobre idéias impactantes… uma vez saiu no Com Jesus Datas Festivas, eu acho, uma peça de natal onde o cenário era de uma festa de aniversário, e os protagonistas eram palhaços que vinham animar a festa e acabavam conhecendo a história do natal de Jesus. Achei ótima idéia, fizemos algumas adaptações e apresentamos em Realengo/RJ e em Horizontina/RS, foi o maior sucesso, entretenimento puro! E a mensagem foi passada!
    Daniela.

  8. Rapaz, acho que encontrei alguém que fala a mesma língua que eu, hehehe.
    Esta idéia sobre o natal e páscoa com as músicas realmente são idéias fantásticas e já imagino o resultado, muito bom!
    Tenho uma amiga que escreve cantatas de páscoa e natal, vou passar esta idéia pra ela.
    Valeu…
    Daniela.

  9. Ótimos vídeos…

  10. Natal tem que ter teatro!!!
    O problema é que realmente sempre ficamos na encenação do presépio…
    Gosto da idéia de fazer alusão à páscoa no natal..afinal Jesus nasceu para salvar a humanidade morrendo numa cruz e ressuscitando depois não é?!
    Tenho sempre uma dúvida e fico tentando pensar em formas de como envolver melhor as crianças na programação, elas são parte importante, porém, muitas vezes fica algo desconexo do restante da programação, geralmente apenas com uma musiquinha, versinhos… Alguém tem alguma experiência que poderia partilhar? Alguma sugestão sobre como inserir as crianças na programação como um todo?

  11. Olá povo!
    Luise,

    Me parece que um problema fundamental em diversas congregações é para quem é feito o programa de natal. Uma vez resolvida essa questão, então existem N formas de envolver as crianças no programa.

    Vou tentar explicar a “complexidade” da coisa e já aproveitar para fazer um crítica… e, obviamente, opinar sobre as coisas.

    Programa de natal e culto são coisas completamente diferentes. Falo do culto propriamente dito, pois em uma maneira mais abrangente de pensar, nossa vida é um culto a Deus, mas de forma mais específica eu vivo dizendo por aí e por aqui, também acolá, que culto é coisa de cristão. Na minha visão luterana, culto é serviço de Deus para nós e é ação de Deus que nos leva a refletir de volta nossa adoração. Por isso não acredito muito em culto missionário e coisas nessa linha.

    Agora, um programa de natal é um boa oportunidade para fazer missão levando a mensagem da salvação ao entorno da congregação. Mas também pode ser apenas uma retroalimentação da congregação para a congregação. Uma vez definido isso, então eu acho que começa a ficar mais fácil saber como envolver as crianças no programa.

    Eu teria muitas experiências para compartilhar nesse sentido… mas vou comentar algumas rapidamente:

    - penso que crianças podem não participar diretamente, mas se tornarem o alvo principal com músicas, mensagens e teatro voltados para elas. Criar um programa que funciona como um mundo mágico para as crianças é uma coisa muito gostosa. E um texto bem escrito, criativo, pode cativar muito os adultos também – sabe aquele estilo Disney de fazer filme e desenho família?

    - as crianças podem ter participações especiais em diversas áreas do programa, como na divulgação, na recepção, nas músicas no teatro. Mas em todas essas áreas, eu acho que o negócio é colocar um professor ou professora como parte integrante do grupo e deixar a espontaneidade das crianças aflorar, mesmo nas peças. Com pequenas coisas “especiais” como um chapéu, uma camiseta, algum elemento visual para que todos usem muita coisa muda no humor da criançada. Acho sempre interessante também envolver as crianças nas escolhas e decisões: o que elas querem usar (levar sempre sugestões), fazer, como, etc?

    - se é musiquinha, não faça. Faça música. Se é versinho também, deixe de lado. Faça um verso. Se é teatrinho, pior ainda. Faça teatro. Mas, para mim, mais importante é oportunizar que as crianças sirvam como sejam servidas. Ou seja, que haja momentos de encantamento para elas no programa e que elas tenham opções. Afinal, assim como as pessoas que já cresceram mais, nem todos querem fazer parte do teatro, da música, do verso, da recepção. Acho importante que, desde cedo, haja oportunidade para a diversidade. Apesar de que eu sei que, dependendo da idade, todos querem fazer o que todos estão fazendo. rs

    Sei que não ajudou muito… mas… são minhas versões das coisas.

    .abraços.
    .el.

  12. Tenho mais algumas sugestões Luise, além da divulgação com as crianças vestidas de anjos.
    Gosto muito de dança, já trabalhei com dança litúrgica, e…. em um programa de natal que fizemos, as crianças foram anjos (Tb, heheh) e fizeram coreografias em todas as aparições de anjos na história do natal, bem simples, mas teve um efeito legal.
    Outra coisa… ja assistiu bibliajando? História de duas crianças que viajam para dentro da bíblia, fizemos isso no dia das mães com a história de Ana (muito legal), pode ser feita com a história do natal tb.
    Eu e o Rahel estávamos conversam em Off, hehehe, falamos sobre a idéia de um Papai Noel depressivo por ter tirado o verdadeiro sentido do natal, ele pode contar a história do natal para as crianças, e elas vão participar do programa sem muitos problemas.
    Até mais,
    Dani.

  13. Acho que está mais do que na hora de vestirmos as crianças de diabinhos (rs)… afinal, é um mito que a sociedade sustenta através de más interpretações da palavra.
    eheheh

    Estou brincando…
    … não me interpretem mal.

    Mas estou fazendo duas afirmações aqui: 1. as crianças são tão pecadoras quanto nós, mas nós ajudamos a sustentar esse mito de “crianças anjo”; 2. eu já participei, idealizei e concordo que isso não nos impede de continuar vestindo as crianças de anjos para as histórias do natal.

    “Não temam!”

    Apenas para brincar um pouco mais com a idéia:
    vocês já viram um querubim?

    São seres de aparência majestosamente amedrontadora. Não é à toa que quase sempre precisavam dizer “não temam” em uma aproximação. Vejam só como eles (4 querubins) são descritos:

    “No meio da tempestade, vi o que me pareciam quatro animais. A sua forma era de gente, porém cada um tinha quatro caras e quatro asas. As pernas deles eram retas e tinham cascos que eram parecidos com cascos de touro e que brilhavam como bronze polido. Além das quatro caras e das quatro asas, cada um tinha quatro mãos de gente, uma debaixo de cada asa. Duas asas de cada animal estavam abertas, com as pontas tocando uma na outra. Assim os animais formavam um quadrado e andavam em grupo, sem virar o corpo. Cada animal tinha quatro caras diferentes: na frente, a cara era de gente; do lado direito, era de leão; do lado esquerdo, era de boi; e atrás a cara era de águia. Duas asas de cada animal se abriam para cima e tocavam as pontas das asas dos animais que estavam ao seu lado; e com as outras duas asas eles cobriam o corpo. Cada animal podia olhar para as quatro direções, e por isso o grupo ia aonde queria, sem precisar virar. Entre os animais havia uma coisa que parecia uma tocha acesa e que estava sempre em movimento. O fogo aumentava, e do fogo saíam relâmpagos. E os animais corriam para cá e para lá como relâmpagos.” (Ezequiel 1.5-14)

    Assustadoras essas crianças!
    rs

    Bem… depois disso, só mais um acréscimo: invistam nos trajes de querubim das crianças! rs

    .abraços.
    .el.

  14. Talvez se todos soubessem desta descrição de querubins, mas gente se colocaria a disposição pra ser “anjinho”, é um tema que quero abordar futuramente aqui, por que a maioria prefere fazer papel de “mau”? Preferência em fazer papel de diabo a papel de Jesus… mas isso vamos falar depois….
    Não menosprezem as crianças… elas decoram e atuam muito melhor que muito adulto, é só ter paciência!
    Até mais,
    Dani.

  15. Pessoal, até final do mês teremos vários programas de natal já disponíveis no ArtJELB Online.
    Até mais,
    Daniela.

  16. Bom…
    Primeiro vou me apresentar (Já que a primeira vez que dou as caras por aqui)
    Sou de Palmas, estou “trabalhando” com a Luise, na diretoria, já trabalhei com o Miguel tbm. tenho 17 aninhos, e estudo teatro desde os 10. Por isso, o teatro acaba caindo na minha mão quando eh congressos, msg simples e etc. acho que nunca organizei um programa de Natal (não sei pq, na verdade acho q sei. Minha idéias não betem a as da … e dai vira briga, prefiro só obedecer no caso).

    Bom…
    Daniela, já fizemos aqui essa peça dos palhaços(2005 se não me emgano). Foi um sucesso.

    Rael, já conhecia essa descrição dos anjos, mas acho que não ficaria muito bonito.

    Quanto ao inovar, queria por algo em discução.
    Aqui temos um problema, não sei se é bem um problema, mas, temos aquelas pessoas tradicionais. Nossa, quando compramos a nossa bateria, eles reclamavam toda a vida, pq, pq qria só orgão, ou no maximo o nosso teclado (q a Luise toca lindamente).
    Agora imagina, se eu colocar uma musica da pascoa no natal, e uma musica do natal na pascoa. Ou sei lá… coisas muito impactantes, acabam dando pequenas discuções intriguinhas.
    Somos jovens, queremos o novo, queremos inovar? sim, sempre. Mas acho tbm que não podemos simplismente mudar tudo, inverter as coisas, ou colocar muito impacto de uma vez só.

    Sim, acho que devemos mudar, inovar.
    Mas sem tirar o brilho que o natal tem.
    O que acabaria acontecendo,por exemplo(na minha opinião) com a troca das musica.

    Vocês não acham?
    Que deveriamos, manter algumas tradições?

    Outra, quanto as criaças, não me dou muito bem com elas (he he he) mas acho sim, que elas devem fazer parte da programação. Mas, se querem algo grande, bem produzido, sem aquela coisa de “o q importa eh a intenção” elas deveriam entrar de outra forma. (dãr, vcs jah falaram isso). Adorei a idéia dos anjinhos de porta em porta, e da recpção.
    E concordo também, que elas deveria ser o publico alvo, por que elas presisam aprender sobre esse maravilhoso amor, e os adultos presisam renovar essa fé.

    beijoO
    Ana

  17. Olá Ana, que bom que “deu as caras” por aqui, hehehe. Já morei em Palmas e trabalhei com teatro aí tb. Já trabalhei em outras congregações tb e todas tem a “ala conservadora”. Inovar sim, mas aos poucos, de uma forma sutil, se existe intrigas, OK. O que vc não deve é desanimar ou desistir por causa de reclamações que não procedem.
    Vou te dar uma dica que funcionou muito bem comigo: Em uma congregação que trabalhei, tinha um casal de idosos que eram muuuuuuuuito conservadores, eles reclamavam de tudo, da bateria então, nem se fala, teatro era coisa do diabo, etc. Comecei com um grupo de dança litúrgica e convidei a neta deles pra participar, quando fizemos a peça de natal dos palhaços, onde eu era um deles, entrei na igreja brincando e deu um pirulito pra ele, e convidei um outro neto deles pra tocar no programa, o que acha que aconteceu? Conquistei a dupla, eles vinham ver os netos e acabaram gostando das mudanças.
    Mas ninguém melhor que vc pra conhecer os limites de sua congregação, vai com calma, mas deixe de ir, OK?
    Até mais,
    Daniela.

  18. Oi Ana,

    É bem interessante ler suas palavras e perceber uma coisa: você parece que está agindo em relação à sugestão das trocas das músicas exatamente como as pessoas da sua congregação em relação à bateria, ou seja, com certo receio de romper a tradição. Como você mesmo revela na pergunta: “Você não acham (…) que deveríamos manter algumas tradições?”

    Essa é a pergunta que fazem aqueles que acham que na igreja só tem espaço para órgão e, no máximo, um teclado muito bem tocado pela Luise.

    O que eu quero dizer e, nesse caso, também aconselhar é que qualquer tipo de inovação, seja bateria ou violão nos cultos, ou trocas de músicas no teatro, precisam ser bem feitas, com amor, cuidado, carinho, e ensino na congregação.

    É preciso discernimento…
    … então, temos lugares em que a troca de música, sem momentos de ensino na congregação, será chocante demais.

    Certo?

    .abraços.
    .el.

  19. Claro, que toda mudança deve ser feita com muita calma.
    Acho isso não só em lugares com gente tradicional, mas em todos. Esse tipo de mudança é muito forte.
    Mas penso o seguinte.
    Se estamos falando de Natan, nascimento. Falemos de Natal.
    Se estamos falando de Pascoa, morte e ressureição, falemos de Pascoa, morte e ressureição.

    Na verdade Rahel, acho que não entendi muito bem qual seria a proposta da troca das musicas (cismei com isso,rsrs) a não ser o impacto, o choque, mas o que vc gostaria de mostrar com isso???

    BeijoO
    Ana

  20. Ana, a proposta da troca das músicas seria muito mais do que causar impacto… seria para, no natal, lembrar a todos que Jesus nasceu sim, mas para que ele veio? Para morrer e pagar por nossos pecados, nos garantindo, assim, a vida eterna. Lembrar o propósito do seu nascimento no Natal. E na Páscoa, relembrar toda sua tragetória aqui na terra, desde o nascimento até a ressurreição. Repare que Fonte ensanguentada seria cantada suavemente, como uma canção de ninar, não causaria espanto, mas reflexão. E a música Glória in excelsis (é assim que escreve?) cantada na crucificação, lembraria mais a vitória de Jesus sobre o pecado, e não a derrota da morte, pois esta cena é forte sim, mas não deve causar tristeza, eu acho…
    É isso Rahel?
    Até mais
    Daniela.

  21. Olá Daniela,

    É perfeitamente isso!
    Só tenho um detalhe para acrescentar… dois:

    1. dificilmente penso em algum idéia e a sugiro simplesmente para chocar e pronto. confesso que já tive esse ímpeto, mas faz mais de uma década que não falo em chocar por chocar;

    2. acrescento ainda que acho importante sempre lembrar, mesmo no natal, ou na páscoa, que a obra da salvação é algo mais completo e mais amplo do que apenas o nascimento ou a morte de Jesus. O nascimento é importante pois sem ele, como poderia ter Jesus morrido? Mas a força da salvação está no salvador que nasceu, morreu e ressuscitou. A idéia é UMA das formas que imaginei que seria bonito demais de ver e fazer. No fundo, não imagino a cena de forma chocante… mas poética, isso sim!

    .abraços.
    .el.

  22. Pessoal,
    Tem algumas peças natalinas na Coluna ArtJELB Online.
    Vou acrescentar mais umas 12 que tenho comigo, mas calma…to aprendendo a organizar isso aqui, hehehe.
    Até mais,
    Daniela.

  23. Precisa dizer mais do que o vídeo abaixo já diz?

    Alguém consegue imaginar o que esse vídeo tem a ver com o natal?

  24. Bacana Rahel,
    Adoro isso!
    Até mais,
    Daniela.

  25. QUE TER CONTACTO COM VONVOSCO COPSTEI DAS VOSSAS DICAS EU ESTOU EM ANGOLA E PRECISAVA DE ALGUMAS SUGESTOES DE PROGRAMAS COM ADOLESCENTES E CRIANÇAS PAR E.B DE FÉRIA E ACAMPAMENTOS. BEIJOS LUISA


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: